Bruno Quintal,
33 anos, administrador
Como tirou a licença: tirou os 20 dias de licença paternidade das Empresas Cidadãs e juntou com mais 25 dias de férias. Está como principal cuidador desde que foi demitido quando o filho tinha 5 meses.

Foto: arquivo pessoal

"

Receber visitas era uma parte que a gente não gostava muito, porque a visita costuma vir para para ser servida, e não para te servir. E era um período em que a gente precisava ser servido, ser ajudado. Que alguém trouxesse uma comida, lavasse uma louça... e não o contrário. Não era para a gente botar a mesa, a visita vir e depois ficarmos com mais louça. 


 

Quando eu voltei a trabalhar, ficava com saudades de casa. Passava o dia todo pensando no que estava acontecendo por lá. Não consegui mudar a minha carga horária, mas, 4 meses depois de eu voltar da licença, fui demitido. E estou desde então em casa com meu filho. A minha esposa voltou a trabalhar em fevereiro e resolvemos, que em vez de colocá-lo em uma escola, ele ficaria comigo, até eu repensar sobre o que queria para meu futuro, relacionado ao trabalho.


 

Hoje parece que a mulher acaba sendo mal vista se quer ficar mais tempo em casa. Se homens tivessem licença também, traria mais flexibilidade pra família se organizar. Também faria o pai se sentir igualmente responsável. É ridículo termos 5 dias de licença paternidade no Brasil. Um absurdo. Diz muito sobre o que a sociedade valoriza e o que não.


 

Acho que quando o pai não cria vínculo com o bebê, ele se sente sempre inseguro de “não dar conta”. Ou não assume a sua co-responsabilidade na criação mesmo. Acho que, se não estamos presentes, se não entendemos o dia a dia, a rotina de cuidados, não temos empatia com o cansaço da mãe. 

"

"Eu lembro de ficar muito maravilhado com ele, com as unhas pequenininhas, com o cabelo, o jeito dele olhar. Eu ficava com ele no colo depois das mamadas e aquele aconchego fazia até doer o coração. Parece que a vida foi ganhando um novo sentido. “

 ME DÁ LICENÇA - © KARIN HUECK